A Câmara Municipal de Dourados rejeitou, em plenário, o relatório das comissões processantes que apresentaram parecer prévio e queriam o arquivamento do pedido de cassação dos mandatos dos vereadores afastados Idenor Machado (PSDB) e Denize Portolann (PR). A sessão ordinária terminou quando faltavam 10 minutos para a meia-noite.

Nos dois casos, a votação foi unânime, ou seja, nenhum vereador votou favoravelmente ao relatório apresentado pelas duas comissões.

Na denúncia contra Idenor Machado, que foi presidente da Câmara de Dourados durante cerca de 6 anos, a comissão é formada por Jânio Miguel (PR), Júnior Rodrigues (PR) e Cido Medeiros (DEM). Rodrigues é o relator. Os três emitiram parecer favoravelmente ao arquivamento do pedido de cassação.

No plenário, contudo, eles mesmos votaram pela continuidade do processo. A votação final terminou em 17 votos favoráveis e 2 impedimentos. Os vereadores Toninho Cruz e Marinisa Mizoguchi (ambos do PSB) ficaram impedidos de votar porque são parte interessada no resultado, já que são suplentes.

Na denúncia contra Denize Portolann, a comissão é formada por Romualdo Ramin (PDT), Maurício Lemes (PSB) e Alberto Alves dos Santos, o Bebeto (PR). Lemes é o relator. Os três também emitiram parecer favoravelmnte ao arquivamento do pedido de cassação do mandato da vereadora.

E, no plenário, eles também votaram pela continuidade do processo. A votação final terminou em 18 votos favoráveis e 1 impedimento. Neste caso, foi a vereadora Lia Nogueira que não votou, já que é a suplente.

O resultado das duas votações surpreendeu o pequeno público que acompanhou a votação no auditório da Câmara Municipal, já que até mesmo os vereadores que formam a bancada de sustentação da prefeita Délia Razuk (PR) votaram pela continuidade dos trabalhos.

A Câmara ainda aguarda os relatórios de outros dois casos: os que envolvem os vereadores Pedro Pepa (DEM) e Cirilo Ramão (MDB). Ambos também estão afastados dos cargos.

Fotos: Divulgação