Vereador pede maior atenção nas áreas da saúde e educação. (Foto: Thiago Morais)

Com a ampliação de recursos nas contas da Prefeitura de Dourados, o vereador Marçal Filho (PSDB) pede mais atenção aos setores com maior deficiência – saúde e educação. O Portal da Transparência do município mostra que no primeiro semestre de 2017 a arrecadação tributária foi de R$ 383,4 milhões e no mesmo período deste ano saltou para R$ 433,2 milhões.

“Isso mostra que a receita tributária do município não caiu”, diz o vereador, que espera investimentos com urgência principalmente na saúde, setor que mais gera reclamação por parte da população. Os problemas são inúmeros e vão desde a falta de médicos até a ausência de materiais de trabalho para os profissionais atenderem os pacientes.

O aumento da arrecadação de impostos pagos pelos contribuintes e de recursos destinados ao município pelos governos estadual e federal, segundo o vereador, revela que não há queda na receita municipal. “É um demonstrativo que recurso tem e o que falta é melhorar a gestão do município”, avalia o parlamentar.

A Fundação de Saúde de Dourados, responsável por administrar o Hospital da Vida e a UPA está em decreto de situação de emergência desde o final do ano passado. Com recurso mensal de R$ 4,4 milhões, a Fundação não tem conseguido honrar as despesas e acumula dívida de aproximadamente R$ 1,2 milhão todos os meses.

Quem mais sofre é a população que não consegue atendimento adequado. Profissionais de saúde têm procurado o vereador para denunciar as más condições de trabalho que enfrentam no dia a dia e as condições aos quais os pacientes são submetidos. Marçal irá propor audiência Pública para apresentar um “raio X” da UPA e do Hospital da Vida.

Nos bairros, moradores têm encontrado dificuldade de marcar consulta. As agendas médicas são lotadas e o paciente pouco encontra vaga para menos de 30 dias. Outro problema é que muitas das unidades não possuem materiais básicos para realizar curativos.

Situação não muito diferente está a educação. Marçal tem cobrado insistentemente a prefeitura para colocar em funcionamento o Ceim do jardim Colibri, inaugurado em dezembro passado, e o Ceim do Ildefonso Pedroso. Mais de três mil crianças estão à espera de vagas. Outros cinco Ceims estão em construção, porém com obras em ritmo lento.

O vereador também tem cobrado a iluminação nas ruas da cidade. A população tem se revoltado, pois paga pela Taxa de Iluminação Pública (Cosip) e quando solicita troca de lâmpada o atendimento é demorado.