Servidores se reuniram com secretário de Fazenda na manhã desta quarta e foram informados sobre a situação financeira do município.(Foto – A. Frota)

Os salários do mês de junho serão pagos a 70% dos servidores da prefeitura de Dourados até a sexta-feira, dia 5, quinto dia útil de julho. O restante da folha deverá ser quitado entre os dias 10 e 11 deste mês. A garantia foi dada na manhã desta quarta-feira (3) pelo secretário municipal de Fazenda, Paulo Cesar Nogueira Junior, em reunião com servidores no auditório do Centro Administrativo Municipal.

No encontro com servidores, o secretário lamentou a situação de dificuldade pela qual vem passando o município e adiantou que todo esforço está sendo empregado no sentido de reduzir despesas e melhorar a arrecadação, para que a situação se normalize, embora “seja real a possibilidade de que continue até dezembro”.

“Esta não é uma situação criada por nós, nem da atual gestão, nem de gestões mais recentes. É um legado de décadas, resultado de decisões equivocadas, inconsequentes, e que precisa ser corrigido. Temos a obrigação de entregar a prefeitura numa situação bem melhor do que encontramos; isso é possível e estamos trabalhando para isso”, falou Paulo Nogueira.

O secretário pediu a compreensão dos servidores, disse que uma comissão foi constituída para estudar a folha salarial

do município e que medidas serão tomadas para corrigir eventuais distorções.

“Estamos buscando o reequilíbrio financeiro; é preciso ter coragem e estamos fazendo isso com transparência”, disse, citando como medida inicial a redução em 5% da despesa com a folha salarial de cada secretaria, o que se dará, dentre outras medidas, com a exoneração de dezenas de servidores contratados em cargos de comissão. No Diário Oficial desta quarta consta a primeira relação de servidores em cargos de confiança que estão sendo exonerados.

Outra medida tomada, em vigor desde 1 de julho, é o Decreto n°1.904, de 24 de junho, que estabelece o limite de 10% sobre o salário base para gratificação de função de confiança e que reduz também para 10% a gratificação de dedicação exclusiva.