Dezenas de custodiados e egressos são encaminhados para serviço com carteira assinada

-

A possibilidade de conquistar o tão sonhado registro na carteira de trabalho se tornou realidade para o interno da Casa do Albergado de Campo Grande, Juverson Paiva dos Santos, após participar da ação desenvolvida, quinta-feira (18), entre a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) e a Funsat (Fundação Social de Amparo ao Trabalhador).

“O trabalho representa muita coisa, pagar o que deve e ter uma vida digna. Só tenho a agradecer”, disse Juverson, com o encaminhamento para o serviço em mãos.

A iniciativa, realizada por meio do projeto Funsat Itinerante, foi desenvolvida na sede do Escritório Social da Agepen, resultando num total de 51 pessoas atendidas, envolvendo 36 encaminhamentos para o mercado de trabalho, 11 carteiras de trabalho digitais emitidas, quatro atendimentos da Defensoria Pública, oito cadastros em cursos de qualificação profissional gratuitos oferecidos pela Secretaria Municipal da Juventude (Sejuv) e 14 atendimentos da Junta Militar.

Ocupação laboral digna é um dos focos da Agepen aos seus custodiados e egressos, conforme ressaltou o diretor-presidente da instituição, Aud de Oliveira Chaves, que acompanhou o início da ação. “Essa atenção da Funsat com o público que atendemos é muito importante e contribui significativamente para a ressocialização, e isso impacta positivamente não somente para essas pessoas assistidas, mas para toda a sociedade, já que isso ajuda a reduzir os índices de reincidência criminal”, enfatizou.

A gerente do Escritório Social, assistente social Márcia Teodora de Oliveira, explicou que o mutirão de atendimentos da Fundação Social de Amparo ao Trabalhador representou uma forma de agilizar os trabalhos de encaminhamento que são realizados diariamente pela unidade assistencial.

“A Funsat itinerante contempla várias redes parcerias em um mesmo local, agilizando os atendimentos aos reeducandos, egressos e familiares”, informou, reforçando que cada assistido passou por orientação e triagem pela equipe do Escritório Social, sendo encaminhados para os atendimentos de forma direcionada.

Para o diretor-presidente da Funsat, Luciano Martins, a iniciativa reflete a visão humanizada adotada pela Fundação em prol de toda a comunidade.  “O mais importante é trabalhar a reconstrução da dignidade daqueles que estão voltando ao seio da sociedade, cuja transição não é tão simples, a pessoa passa um período afastada em isolamento, de modo que ao retorno são necessárias algumas ações como esta aqui hoje, pois o primeiro instrumento que a gente acredita nessa reconstrução é o trabalho”, destacou.

É o que acredita Josiel de Oliveira Santos que está em cumprimento de livramento condicional e também comemorou a oportunidade de trabalho digno e com registro em carteira durante a ação. Segundo ele, o serviço é uma necessidade muito grande, já que precisa contribuir com o sustento de casa. “Vou poder trabalhar e ajudar minha mãe, que é aposentada”, afirmou.

A ação da Funsat no Escritório Social contou com o apoio da Diretora de Assistência Penitenciária da Agepen, por meio das divisões de Trabalho e Educação, além do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

VEJA TAMBEM