Perícia confirma que marido matou a esposa e depois se matou

-

O trabalho dos peritos da Polícia Civil de Ponta Porã apontou que o comerciante paraguaio Alejandro Antônio Aguilera de 41 anos, matou a esposa Eliane Ferreira Siolim de 34 anos e depois se matou com um tiro na cabeça. O crime aconteceu no domingo (24) em um sitio no distrito de Nova Itamarati em Ponta Porã.

Inicialmente o delegado Alcides Bruno Braun tinha registrado o caso como morte a esclarecer e agora com o termino do trabalho pericial o crime está sendo tratado como feminicídio e será encaminhado para a delegada Mariane Cristine de Souza da Delegacia de Atendimento à Mulher (DAM).

Informações extraoficiais dão conta de que entre o casal havia um histórico de violência e que a mulher que seria influenciadora digital com cerca de 60 mil seguidores, já teria sido agredida alguma vezes, mas não registro na DAM destas agressões. “Ele não lidava muito bem com o sucesso que ela tinha entre os seguidores e terminou nesta tragédia”, disse uma amiga que pediu para não ser identificada.

Como mostrado pelo Ponta Porã News, o casal alugou uma chácara para passar o final de semana e domingo houve um churrasco e por volta de 12h algumas pessoas teriam ido embora, entre elas, a filha do casal, de quarto anos.

Antes do crime, Alejandro e Eliane teriam discutido após um vídeo publicado em uma rede social da mulher dançando funk. Ele teria atirado 17 vezes contra a esposa e depois se matado com um tiro na cabeça. Próximo aos corpos foram encontradas capsulas de uma pistola 9 milímetros e a arma ao lado da cabeça de Alejandro.

Duas pessoas que moram no sitio onde aconteceu o crime foram ouvidos pela polícia, mas disseram que não presenciaram nada, já que estavam em uma outra casa que existe no mesmo espaço.

A Delegacia de Atendimento à Mulher de Ponta Porã informou nesta manhã que ainda não recebeu o inquérito de feminicídio, o que deve acontecer ainda esta semana.

O crime aconteceu na noite de domingo nas proximidades do distrito de Nova Itamarati.(Foto: Divulgação)

VEJA TAMBEM