Tráfico pode estar começando onda de roubos para repor aeronaves apreendidas ou sinistradas

-

O roubo de uma aeronave Skylane Cessna 182 nesta quarta-feira (12) em território paraguaio proximidades da fronteira, pode servir de alerta a proprietários e operadores de aeronaves no Brasil. Surge a suspeita de que o narcotráfico possa estar em busca de aeronaves para o transporte principalmente de cocaína da Bolívia para o Paraguai e Brasil.

Como durante todo o ano passado ocorreram muitas apreensões de aviões e helicópteros e acidentes envolvendo aeronaves do narcotráfico, o esquema pode ter sido “descapitalizado” com a falta desses equipamentos. O último roubo de aviões em Mato Grosso do Sul ocorreu em setembro do ano passado no aeroporto de Aquidauana. No ataque, três aeronaves, entre elas a do cantor e pecuarista Almir Sater foram roubadas antes do amanhecer. Pistas indicaram para as autoridades brasileiras, que as aeronaves foram levadas para a Bolívia, mas as autoridades do País vizinho nunca se mostraram colaborativas com o Brasil para apuração desse tipo de crime, principalmente apreensão e devolução de equipamentos.

No Paraguai

No episódio de quarta-feira no Paraguai, as características do roubo demonstraram ação organizada. Homens fortemente armados, encapuzados e se apresentando como “força especial” invadiram a propriedade localizada em San Cristóbal, no Alto Paraná onde roubaram a aeronave matrícula paraguaia ZP-BIV. O bando que chegou em uma caminhonete, abandonou o veículo no local e roubou outra.

Na manhã desta quinta-feira (13) o avião foi encontrado por funcionários da Fazenda Garay Cue, no distrito de San Alfredo, em Concepción. A aeronave estava aparentemente intacta, indicando ter sido simplesmente abandonada pelos ladrões. A desistência de levar o equipamento, pode ainda indicar ter ocorrido engano por parte dos ladrões sobre o tipo de aeronave em termos de capacidade de carga e autonomia mesmo que com reabastecimento improvisado. Equipes da Força Tarefa Conjunta – FTC estão na região onde a aeronave foi deixada.

25 aeronaves no MS

No ano passado a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul através do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco), apreendeu 25 aeronaves de alguma forma ligada ao narcotráfico. Só no mês de dezembro foram apreendidos quatro aviões, estatística que indica baque financeiro e operacional aos narcos.

A imensidão de aeronaves retiradas do narcotráfico pode ser vista ao se levar em conta a quantidade de aviões e helicópteros também apreendidos ou sinistrados no Estados de Mato Grosso, Rondônia, Goiás, São Paulo e Minas Gerais ao longo do ano passado.

Atenção e cuidados

Para o DRACCO, proprietários e operadores de aeronaves precisam redobrar os cuidados com os equipamentos adotando máxima segurança possível. Os policiais lembram que a atenção deve ser redobrada em casos de contratação de voos por desconhecidos.