Cherin recebeu o prefeito Hélio Peluffo na posse da patronagem. (Foto: Divulgação)

Pensa numa festa animada, descontraída e que reuniu o que o personagem principal chamou de “minha família”. Em resumo, num clima indiscutivelmente alegre e contagiante, o Centro de Tradições Gaúchas “Querência da Saudade” lotou o galpão crioulo, no domingo (16) para celebrar a “enésima” posse do guapo Ivo Cherin, que vai conduzir as rédeas da agremiação tradicionalista por mais um mandato.

O evento contou com presenças ilustres, como a do prefeito de Ponta Porã, o arquiteto Hélio Peluffo Filho (PSDB) e da primeira-dama, Vânia Potrich Peluffo, e do deputado estadual Gerson Claro (PP) e, como não poderia deixar de ser, ao som da mais autêntica vaneira e ao sabor do inconfundível costelão.

Ao se pronunciar, depois de receber as chaves do “sítio” das mãos do não menos gaudério Leomar Dal Molin, que conduziu a patronagem por dois mandatos consecutivos, Ivo Cherin não escondeu a emoção, dirigindo-se à gauchada de todos os rincões assegurando que “O CTG é a minha família. E família a gente cuida com carinho!”.

O prefeito Hélio Peluffo também enalteceu a personalidade e a determinação do inoxidável Ivo Cherin, que já emplacou mais de 80 primaveras, reforçando os laços de amizade e fortalecendo as parcerias entre o CTG e a Prefeitura de Ponta Porã, sempre com foco no incentivo à cultura, destacando que a entidade regionalista tem levado com orgulho o nome de Ponta Porã a uma infinidade de palcos, onde tem protagonizado com gabarito singular o papel de disseminador das tradições sulistas.

O deputado Gerson Claro também parabenizou o filho de Espumoso (RS) pelo exemplo de dedicação e empenho à cultura e ao tradicionalismo gaúcho, colocando seu gabinete à disposição do patrão e de sua diretoria.

IVO CHERIN

Pioneiro da agricultura em Ponta Porã, Ivo Cherin conheceu a cidade por acaso. Percorrendo as estradas brasileiras na boleia de um caminhão, se deparou com a região e encontrou ali o solo e a oportunidade que o fez mudar de vida. Teve início a jornada que ultrapassou gerações e chegou ao seu filho João Cherin, 39 anos, que hoje é o responsável pelos negócios do campo.

Hoje, pai e filho atuam na administração do negócio, e no operacional contam com oito funcionários, para os 1.400 hectares de plantio de soja e milho.

Ivo Cherin nasceu em 16 de setembro de 1938, no município de Espumoso, Estado do Rio Grande do Sul. Filho de João Cherin e Metilde Marquetti Cherin. Terceiro filho da família de quatro irmãos. Realizou o curso primário naquela localidade. Com apenas quatro anos de idade perdeu o pai, motivo que o levou, em companhia de sua mãe e de seus três irmãos, ainda meninos, a iniciar atividade na lavoura

Permaneceu em Espumoso até seus vinte e dois anos quando se mudou para a cidade de Ibirubá, juntamente com sua mãe e dois de seus irmãos, vindo a dedicar-se na atividade de comércio e transporte. No ano de 1966 casou-se com Cleci Rosa Ferrari; sendo agraciados com dois filhos: Maria Lúcia e João Luciano.  Em 1973 adquiriu terras no Mato Grosso do Sul, na região de Ponta Porã, em parceria com seus irmãos, dedicando-se, a partir daí, também, à atividade agrícola.

No início do ano de 1981 transferiu sua residência para Ponta Porã, juntamente com sua família. Desde então começou a fazer parte da sociedade de Ponta Porã, a qual tão bem os acolheu, contribuindo direta e indiretamente com o desenvolvimento do município, especialmente com a comunidade, o que motivou a receber o título de Cidadão Honorário de Ponta Porã.

Fazendo parte de entidades sociais, ocupando cargos, dentre os quais vale destacar: membro ativo da Comissão de Assuntos Econômicos da Paróquia São José; membro do Conselho Pró-Cidadania de Ponta Porã; foi tesoureiro e vice-presidente do Sindicato Rural de Ponta Porã; também ocupou a suplência do Conselho Fiscal da Cooperativa Sicredi.

Ivo Cherin faz parte da patronagem do Centro de Tradições Gaúchas “Querência da Saudade”de Ponta Porã, desde o ano de 1989, assumindo como patrão do CTG no cargo e encargo que lhe foi atribuído nos anos: 1994/95 – 1997/98 e 2001 até jan. de 2012. Foram 12 anos (doze anos consecutivos) desenvolvendo trabalho em favor da tradição e da cultura gaúcha na região de fronteira, numa integração com a cultura sul-mato-grossense.

Recebeu o título de “Cidadão Honorário de Ponta Porã, pela Câmara Municipal em 30 de outubro de 1999. Recebeu homenagens do 11º RC-MEC e do Jornal de Notícias. Em 19 de setembro de 2006, o então Governador do Estado do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto, lhe confere “Medalha Mérito Rio-Grandense” e o título de “Cônsul Honorário do Estado” pelos destacados serviços na difusão do tradicionalismo e da cultura do Rio Grande do Sul.

Em 03 de dezembro de 2009 recebeu o título de “Cidadão Sul-Mato-Grossense” por proposição do então deputado estadual Reinaldo Azambuja (PSDB), hoje governador do MS.

Em 2013, foi homenageado pela Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul, com a entrega do troféu Harry Amorim Costa.