Cultura exposta por música, teatro, artesanato, dança e muito mais. Com essas características teve início na noite desta quinta-feira (28), em Bonito, o 17º Festival de Inverno da cidade que é um dos principais destinos do ecoturismo de Mato Grosso do Sul e do Brasil. A solenidade de abertura foi realizada na Praça da Liberdade, com as presenças do governador Reinaldo Azambuja, da primeira-dama Fátima Azambuja e do prefeito Leonel Lemos. Quatro mil pessoas acompanharam a cerimônia que marcou o primeiro dia do festival, conforme a Polícia Militar.

De hoje até domingo (31) serão realizadas 83 atividades artísticas na cidade – 21 nacionais e 62 locais. A movimentação cultural de mais de 400 artistas revela a diversidade da cultura brasileira e sul-mato-grossense. “Enquanto muitos festivais no Brasil estão deixando de ser feitos por causa da crise, aqui em Bonito nós criamos uma nova roupagem para o Festival de Inverno, deixando ele mais regional”, disse o governador.

Nesse sentido, o prefeito Leonel Lemos destacou, durante discurso, o perfil da cidade, que tem se tornada a cada ano mais cultural, além de turística. O secretário de Estado de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação, Renato Roscoe, ressaltou a importância do festival no cenário estadual, “que tem demonstrado uma linda e formidável cultura que floresce e borbulha em cada canto desse Mato Grosso do Sul”.

O Festival

Com repertório variado, os principais shows musicais de 2016 do Festival de Inverno de Bonito serão de Elza Soares, Nação Zumbi, banda Barra da Saia e os instrumentistas gaúchos Renato Borghetti e Yamandu Costa. Além dessas apresentações, haverá teatro, dança, circo, exposições de artes plásticas, mostra de cinema, literatura e muito mais.

Homenageados

Este ano, o Festival de Inverno de Bonito homenageou Geraldo Roca e Paulo Boggiani. Geraldo, falecido em dezembro de 2015, era músico e compositor. Ele, com o parceiro Paulo Simões, escreveu a letra da música Trem do Pantanal, um hino não oficial de Mato Grosso do Sul. Já Paulo é geólogo e fez um trabalho pioneiro na região de Bonito. Ele mapeou os atrativos naturais da cidade, iniciando o processo de estruturação do município como destino turístico mundialmente conhecido. “Naquela época as pessoas nem imaginavam que Bonito ia se tornar o que é hoje”, disse.