O Sindicato espera que no processo de regulamentação dos produtos artesanais, que o Estado delegue ao Serviço de Inspeção Municipal (SIM) a fiscalização de determinados produtos. Principalmente àqueles que apresentam menor risco para a saúde humana, como doce de leite, mel e outros de origem animal, diminuindo assim algumas burocracias.

Para o presidente do SRCG, Alessandro Coelho, este é mais um passo na valorização dos produtos artesanais dado pelo Mapa. “Essa abertura de mercado, com o selo lançado recentemente pelo Ministério e o acordo do Mercosul com a União Europeia, projetam o Brasil para novos patamares nos próximos anos. Resultados rápidos de um governo que olha para o produtor e entende suas necessidades”, afirma.

As discussões com a China estão na agenda da ministra Tereza Cristina, que deve viajar ao país no dia 17 de agosto para uma nova rodada de negociações. O Mapa também tenta aumentar o número de frigoríficos brasileiros autorizados.

De acordo com o site do Mapa a habilitação dos estabelecimentos, gera expectativa exportação equivalente a US$ 4,5 milhões em queijos, Valor estimado pela Viva Lácteos (associação que representa a indústria de lácteos). Em 2018, os chineses importaram 108 mil toneladas em queijos. A importação do produto tem crescido a uma taxa média anual de 13% nos últimos cinco anos.

As exportações brasileiras de queijos cresceram 65,2% nos últimos três anos. Antes da abertura do mercado chinês, o setor já vinha investindo no ingresso dos produtos na China, por meio da participação em feiras.