Obra criada por pesquisadores da UEMS concorre ao prêmio Jabuti

-

A coletânea de livros “Itúkeovo Têrenoe” está concorrendo ao Prêmio Jabuti, uma das maiores premiações literária da América Latina. O livro foi publicado em 2019, por meio do Fundo de Investimentos Culturais (FIC) e do Ipedi e é fruto de um trabalho de pós doutorado produzido na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). A organizadora da Coletânea, professora Denise Silva desenvolveu o trabalho de pesquisa e criação dos livros junto a professores indígenas de Miranda, durante a Especialização em Língua e Cultura Terena, oferecida pela UEMS em 2017 e 2018.

A coletânea foi criada para ser utilizada como material didático pedagógico nas escolas indígenas do estado. Escolas de Miranda, Nioaque, Dois Irmãos do Buriti, Campo Grande e Aquidauana receberam a coletânea. “Cada livro aborda uma temática, cultura, dança, instrumentos musicais, contos e lendas, alimentação. Todo esse arcabouço da Cultura Terena, produzido por professores Terenas”, explica a professora Denise Silva.

A produção de livros por professores indígenas foi realizada durante a Especialização em Língua e Cultura Terena, oferecida pela UEMS. O projeto envolveu diversos professores com o desenvolvimento de várias pesquisas na área. Um desses professores é o indígena da etnia Terena, Gérson Rodrigues. Ele é formado em Pedagogia e trabalha como coordenador na Escola Municipal Indígena Extensão José Balbino, na Aldeia Babaçu.  “Participar da Especialização foi uma experiência riquíssima, pude aprender mais sobre a Língua e Cultura do meu povo através da Literatura trazida pelos professores e pelas experiências compartilhadas pelos colegas. Diferente das outras pós-graduação, pude sentir que esta ofertada pela UEMS, tinha sua singularidade, visto que a preocupação por parte da coordenação do curso era desde o momento em que os alunos saiam da aldeia até a alimentação e estadia em Campo Grande. Algo que me deixou bastante feliz foi poder apresentar meu TCC na minha comunidade, esse fato quebra o protocolo de formalidade impostas pelas instituições de Ensino Superior, é importante levar a Universidade até as Comunidades para que os saberes científicos e tradicionais trilhem juntos e ambos sejam valorizados”, conta Gérson.

VEJA TAMBEM

MS em Foco. Todos os direitos reservado.