O meia Sena fez o gol de empate do Sete em Itaporã. (Fotos: Franz Mendes)

Neste domingo (31) a classificação veio com empate em 1 a 1 com o Costa Rica, resultado dentro da margem que lhe favorecia após a vitória por 2 a 0 no jogo de ida. A vaga, que parecia fácil, poderia ter ganho ares de dramaticidade se Roger Paranhos não tivesse defendido um pênalti quando o jogo estava 1 a 0 para o CREC, possibilitando o empate no fim. A série de semifinais começou com o título de 2016, a terceira posição em 2017 e a quarta colocação no ano passado.

Apesar da boa vantagem construída no primeiro jogo, a partida no Estádio Chavinha foi quase que toda favorável ao time visitante. O Costa Rica dominou o primeiro tempo, criando várias chances e não permitindo que o Sete, salvo em raras oportunidades, chegasse próximo à sua área. Na insistência, conseguiu ir para o intervalo em vantagem. Aos 42 minutos, em uma jogada iniciada om a bola nos pés do Sete e depois batendo no corpo do árbitro e pegando a zaga desarrumada, Matehus Lucena aproveitou rebote de Roger Paranhos para fazer 1 a 0.

Na etapa final, o Sete conseguiu administrar a vantagem e até chegou ao empate já aos 42 minutos, com Sena, resultado que tranquilizou a torcida, apreensiva até então com o derrota parcial. Nos acréscimos, o Costa Rica até teve a chance de vencer o jogo em um pênalti após a bola bater na mão de Kaique na área. Firmino Coruja foi para a cobrança, mas parou na defesa de Roger Paranhos, segurando o placar em 1 a 1.

Semi

O adversário do Sete na semifinal será o Águia Negra, que venceu a Serc por 2 a 0, gols de Guilherme e Kareca. No confronto a vantagem de igualdade é do time de Rio Brilhante, com melhor campanha acumulada. A primeira partida acontece nesta quarta-feira (3), 15h, no Estádio Chavinha e a volta no domingo, no Ninho da Águia.

Na outra chave se enfrentam Comercial e Aquidauanense, com vantagem para o Colorado. A disputa abre no Estádio Noroeste, também na quarta-feira e termina no Morenão.