As mudam são plantadas em viveiros e depois levadas para os campos de cultivo de maconha. (Foto: SENAD)

Policiais paraguaios envolvidos na 10ª edição da Operação Nova Aliança com participação da Polícia Federal e que destruíram na semana passada 94 hectares de plantação de maconha que poderiam render aos traficantes 280 toneladas da droga, também descobriram uma nova maneira desenvolvida e empregada pelos narcoprodutores para acelerar a produção da droga.

Os policiais encontraram um viveiro de “maconha” implantado no meio da montanha, uma área conhecida como Alpasa no Departamento de  Amambay. Os produtores de maconha passaram a usar métodos menos rústicos e improvisados para reduzir o tempo de produção.

Enquanto preparam as mudas, outros integrantes do esquema cortam as árvores e preparam o solo para a transferência das plantas. Produzidas no viveiro, as mudas só são transferidas após constatado que já estão em pleno crescimento e sem risco de “morrer” após a transferência.

Assim que brotam no viveiro, recebem irrigação constante também apressando o crescimento. Por algum tempo, a irrigação continua após a transferência para o solo, por sinal preparado da mesma forma como é preparada a terra em lavouras.