A droga seria distribuída na Capital e outra cidades. (Foto: Divulgação)

Perto de uma tonelada de maconha, arma de uso restrito e muita munição também proibida apreendidas e quatro indivíduos presos, entre os quais uma mulher, é o saldo de operação realizada por policiais militares de Força Tática da 11ª Companhia nesse sábado 15. O local que funcionava além de ponto de venda e armazenamento de maconha era uma casa da rua Professora Antônia Capilé, no Bairro Nova Lima.

Foram presos André Alves da Silva (49), Maycon Marques da Silva (25), Stuart L. Lopes Valeriano (21) e Silvana Cristina Correa, de 45 anos, todos autuados em flagrante de tráfico, associação criminosa e posse de arma de uso restrito, por conta da pistola calibre 9 milímetros.

Os policiais foram alertados sobre a possibilidade de funcionamento de um ponto de drogas no bairro Nova Lima, onde ao chegarem encontraram Maycon e Stuart na frente da casa. Cada um deles estava com porções de maconha nos bolsos. Já no quintal do imóvel a equipe da PM encontrou um pé de maconha.

Inicialmente os dois afirmaram ser usuários de maconha, mas que conhecem os fornecedores através de contato telefônico. Nesse contato teriam comprado um quilo de maconha que revenderiam com uma comissão de 100 gramas da droga que teria sido entregue por um indivíduo que conhecem pelo apelido de “Véio”.

Os policiais ainda entrevistavam a dupla quando chegou no local o Fiat Uno placas BXS-8377, conduzido por André que entrou normalmente na casa. Com ele os policiais apreenderam uma caixa de sapato com 842 gramas de maconha que entregaria para Maycon e Stuart vender por R$ 700.

Questionado, André acabou revelando que em sua casa, na rua Professora Antônia Capilé, teria uma grande quantidade de maconha. Na casa os policiais do Tático inicialmente encontraram Silvana, esposa de André. Em seguida, dentro de um quarto aberto a equipe da Polícia Militar teve pela frente um grande armazenamento de maconha.

A droga que pesou 850,3 quilos estava distribuída em 123 fardos e ainda balança de precisão, materiais para preparo e embalagem da droga. No quarto de Silvana e André foi encontrada a pistola 9 milímetros com dois carregadores municiados com 13 balas e mais 11 balas “reserva”. O casal alegou não saber muita coisa, apenas que presidiários mandaram que guardasse tudo.