A mulher disse que não tem aldeia fixa e foi presa em flagrante. (Foto: Adalberto Domingos)

Policiais do Setor de Investigações Gerais da Polícia Civil (SIG) e da Corregedoria da Polícia Militar prenderam hoje (21) um policial militar indígena e uma mulher indígena que não tem residência fixa em nenhuma aldeia da região acusados de extorsão contra proprietários rurais e sitiantes de áreas próximas a Reserva indígena DE Dourados e que estão sendo vítimas de invasões e ameaças de ocupações.

Os dois que não tiveram os nomes revelados soa acusados de cobrar “proteção” e influenciar para que quem pagassem um tipo de “seguro” não fosse importunado pelos invasores. Os valores cobrados chegavam a até R$ 100 mil.

Desde o final do ano passado centenas de índios de outras cidades estão vindo para Dourados e ocupando áreas rurais nas proximidades da Perimetral Norte e alguns sítios continuam ocupados, já outros tiveram a reintegração de posse garantida pela Justiça e o clima é tenso na região.

A prisão do policial militar indígena e da indígena desaldeiada aconteceu no momento em que os dois recebiam cerca de R$ 30 mil de um produtor rural e o dinheiro foi apreendido. A Polícia Militar e o a Corregedoria da PM devem dar informações sobre o caso nas próximas horas.