Bombeiros ainda tentaram socorrer a mulher, mas ela já estava morta.(Foto: Adriano Fernandes/Campo Grande News)

Para preservação da família e apuração do caso, a polícia mantém em sigilo a identidade da mulher de 28 anos, que morreu por volta das oito da noite desta quinta-feira (16) na margem da rodovia BR-262, saída para Três Lagoas em Campo Grande. Os primeiros levantamentos indicam que em aparente surto, ela saiu correndo do motel, atravessou a rodovia e em meio a gritos entrou embaixo de um caminhão que estava parado no acostamento, nas proximidades da Avenida Doutor Paulo Adolfo Bernardo, de acesso ao bairro Maria Aparecida Pedrossian.

Durante o que seria uma tentativa de fugir do local, a vítima dizia que o homem que estava com ela no motel queria matá-la e também que a mãe não poderia ver ela daquele jeito. Pessoas tentaram acalmar a mulher, inclusive o acompanhante dela que chegou a dizer que ela acabaria com a vida dele e em dado momento jogou pertences da mulher na rua e fugiu em uma caminhonete Amarok prata e é procurado pela polícia.

Socorristas do Corpo de Bombeiros e SAMU foram acionados, mas quando chegaram a mulher já estava morta. O copo foi encaminhado ao Instituto de Medicina e Odontologia Legal – IMOL para exames que definirão a causa da morte. Durante os levantamentos, o quarto ocupado pelo casal foi minuciosamente periciado em busca de indícios de possíveis causas do suposto surto ou alucinação da vítima. Uma das principais peças na apuração do caso pode ser as imagens da Amarok e ocupantes.