Deputado pede cuidado redobrado no combate ao mosquito Aedes aegypti. (Foto: Luciana Nassar)

O período de estiagem e calor também exige cuidados para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Ao ocupar a tribuna da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, o deputado estadual Marçal Filho (PSDB) alertou sobre a importância do Estado e municípios intensificarem as ações de combate ao mosquito.

“Os boletins epidemiológicos da Secretaria de Estado de Saúde mostram que mesmo na fase da seca, precisamos combater os criadouros do mosquito Aedes”, adverte. A prevenção é a principal estratégia a ser adotada para que a população tenha mais segurança. “Apesar do reduzido volume de chuvas nesse período, ainda assim, o Aedes aegypti tem se multiplicado. Com o retorno das chuvas poderemos enfrentar uma infestação das doenças, por isso precisamos estar em alerta”, discursou o deputado.

Natural de Dourados, Marçal Filho apresentou requerimento à prefeitura municipal pedindo informações sobre as estratégias que estão sendo utilizadas para evitar uma epidemia. Neste ano, a campanha de combate ao Aedes aegypti foi antecipada pelo Ministério da Saúde, sendo lançada pelo ministro Luiz Henrique Mandetta no último dia 12. O governo federal pretende mobilizar os governos estaduais e municipais, que receberão repasses no âmbito do Programa de Vigilância em Saúde, para o qual está previsto o orçamento de R$ 1,8 bilhão neste ano.

Conforme o último boletim epidemiológico da dengue divulgada pela secretaria estadual de saúde, dos 79 municípios sul-mato-grossenses, 74 registram alta incidência de dengue, os outros cinco municípios apresentaram média incidência da doença. Do início do ano até o dia 18 de setembro, 31.814 pessoas contraíram dengue no Estado e 26 mortes foram registradas, sendo 8 em Campo Grande, sete em Dourados, três na cidade de Três Lagoas, e um caso em Maracaju, Ponta Porã, Corumbá, Costa Rica, Coxim, Amambai e Miranda.

Para Marçal Filho, como a campanha de combate ao mosquito foi antecipada do final do ano para setembro, é necessário que todos os agentes públicos e a população se unam para eliminar criadouros do Aedes aegypti. O vírus da dengue apresenta quatro sorotipos, em geral, denominados DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4. Os sorotipos 1 e 4 predominaram nos últimos anos, mas Mato Grosso do Sul voltou a registrar o sorotipo 2, associado a mais casos de dengue hemorrágica.