Olavo atendeu grupo de pais e estudantes que manifestaram na Câmara de Dourados. (Foto: Assessoria)

O vereador Olavo Sul (Patriota) tem lutado para que a crise no transporte escolar municipal de Dourados termine. O parlamentar apontou que os alunos estão correndo o risco de perder o ano letivo de 2019 por causa do número de faltas.

“Na segunda-feira (12) tivemos a primeira reunião com representantes universitários indígenas e na quarta-feira (14) com o procurador Sérgio Henrique de Araújo, mas na quinta-feira (15) os problemas continuaram. Então na sexta-feira (16) estivemos na secretaria de Educação, para falar com o secretário Upiran Gonçalves, que disse que não colocaria a vida dos alunos em risco pelas condições que se encontram os ônibus, assinando, na frente da comissão de pais, alunos universitários indígenas e dos vereadores representados, o pedido de dispensa de licitação, que seria entregue a prefeita assim que ela chegasse de viagem”, lembrou o vereador.

Nesta segunda-feira (19), sem uma solução, protestos aconteceram nas Sitiocas Campo Belo, Ouro fino e adjacências da BR-163, próximo a Embrapa em Dourados, e na MS-156, organizada por alunos universitários Indígenas da Aldeia Jaguapiru em Dourados.

Então durante a sessão ordinária, pais e alunos compareceram à Câmara Municipal e se reuniram com a Comissão de Educação, no plenarinho, para pedirem uma solução urgente. Na terça-feira (20), o grupo, juntamente com Olavo Sul, foi até a Prefeitura de Dourados, para conseguir uma audiência com a prefeita Délia Razuk (sem partido). Após protesto, eles se reuniram com secretários para buscar uma solução ao problema.

“Eu, como vereador, tenho tentado intermediar essa situação desde quando aconteceu a primeira paralisação. Agora novamente alunos estão a mais de uma semana sem poder ir às aulas, alguns até já estão falando em desistir dos estudos. Pais dizem que vão tirar alunos da escola, mães perdem benefícios do Bolsa Família e outros programas do governo pelo número de faltas e o que me deixa mais indignado é que o dinheiro do PNATE (Programa Nacional de Apoio Transporte Escolar) está na conta da prefeitura há tempos. Era só fazer a licitação no tempo certo e os ônibus não iriam parar”, ressaltou o vereador.

“Segundo o secretário de Educação, os ônibus receberão revisão de três em três. Recebi a informação que o transporte voltou a funcionar parcialmente nas sitiocas, mas vamos continuar cobrando a solução definitiva e que todas as crianças que dependem do transporte possam ter o direito mínimo de frequentar a escolas sem esses transtornos tanto para eles como para a família”, finalizou o vereador.