Caravana da Saúde tem R$ 120 milhões para exames e cirurgias

-

Entre cirurgias e exames, 70 mil procedimentos médicos de média e alta complexidades serão realizados em Mato Grosso do Sul nos próximos 11 meses com a realização da nova etapa da Caravana da Saúde. O mutirão foi lançado pelo governador Reinaldo Azambuja e pelos secretários estaduais de Infraestrutura, Eduardo Riedel, e de Saúde, Geraldo Resende, no último dia 2 e deve durar até outubro do ano que vem.

“A pandemia paralisou as cirurgias eletivas e os exames em todo o Estado. Em 2020 e 2021, os hospitais tiveram que parar esses serviços para se dedicarem ao atendimento à covid-19. Nisso, criou-se um passivo enorme de pessoas aguardando na fila. Pelo menos 70 mil. Então, hoje retomamos a Caravana, contratamos hospitais públicos e abrimos o credenciamento para hospitais privados. Serão feitos 70 mil procedimentos, podendo chegar a 100 mil. Isso tudo bancado com recursos do Governo de Mato Grosso do Sul. São R$ 120 milhões disponíveis e se precisar de mais, colocaremos mais”, destacou o governador Reinaldo Azambuja.

Desta vez, a Caravana será realizada em duas modalidades: “Opera MS” e “Examina MS”, com atendimentos exclusivos em unidades hospitalares e clínicas médicas credenciadas pelo Governo do Estado. Até o momento, 39 estabelecimentos de saúde de 34 municípios aderiram à Caravana. Mas esse número pode crescer.

Os pacientes serão atendidos conforme a fila de regulação, explicou o secretário Geraldo Resende. “Várias cidades estão fazendo consultas e exames. E já temos cirurgias agendadas para serem realizadas. O quantitativo de recursos que temos (R$ 120 milhões) é suficiente para realizar mais de 100 mil procedimentos em todo o Mato Grosso do Sul”, ressaltou.

Para Riedel, a ação é fundamental para apoiar os municípios na grande demanda que a saúde pública impõe.

A cerimônia de lançamento da nova etapa da Caravana da Saúde foi realizada na sede da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, e contou com a participação de secretários estaduais e municipais; de deputados estaduais e federais; e de prefeitos e diretores de hospitais de todo o Estado.

Presidente da Assomasul e prefeito de Nioaque, Valdir Couto Junior falou do papel dos municípios na realização da nova Caravana da Saúde. “Vamos trabalhar em conjunto, os 79 prefeitos, disponibilizando a logística para os exames e cirurgias acontecerem de forma rápida, atendendo todos os pacientes, do pequeno ao grande município”, detalhou.

Procedimentos

Pelas duas modalidades da Caravana da Saúde, “Opera MS” e “Examina MS”, serão ofertados procedimentos cirúrgicos eletivos e ambulatoriais (exames) de média e alta complexidades. Entre as cirurgias feitas estão as ortopédicas, vasculares, oftalmológicas, de otorrinolaringologia e urológicas. No rol de exames aparecem ressonâncias magnéticas, tomografias computadorizadas, ultrassonografias, cardiovasculares, de cintilografia, endoscopia e colonoscopia.

Prefeitos destacam contribuição com a saúde dos municípios

Os prefeitos destacaram que a nova fase da Caravana da Saúde vai ajudar a reduzir as filas de cirurgias e exames, que ficaram reprimidas durante a pandemia e assim atender as pessoas mais carentes, que precisam da assistência da saúde pública. Também elogiaram o governador Reinaldo Azambuja, que com estes investimentos contribui com os 79 municípios.

“A caravana será muito importante para todos os municípios e assim atender a demanda que é grande e precisa de uma atenção especial”, ressaltou o prefeito de Jateí, Eraldo Jorge Leite.

Para o prefeito de Nova Alvorada do Sul, José Paulo Paleari, se trata de um projeto que contribui com a saúde pública.  “Ajuda principalmente os municípios pequenos que não possuem recursos e estrutura para atender esta demanda. Aqui temos o governador com este olhar especial para saúde”.

Marco Pacco, prefeito de Itaporã, destaca que a volta do programa vai de encontro aos anseios da população. Já o prefeito de Inocência, Toninho da Cofapi, lembra que a nova Caravana é essencial para as pessoas mais carentes. “É um grande presente aos municípios, pois vai resolver a procura dos moradores que mais precisam de cirurgias e exames”. 

No seu primeiro mandato, a prefeita de Água Clara, Gerolina da Silva Alves, disse estar feliz e ansiosa para que os atendimentos aconteçam no Estado. José Natan, gestor municipal de Aparecida do Taboado, destacou que a Caravana vai atender a demanda reprimida. “Vem de encontro com o que esperamos do governo estadual”.  

Parceria

O presidente da Assomasul, Valdir Couto de Souza Júnior, que é prefeito de Nioaque, destacou que a entidade será parceria do governo do Estado na Nova Caravana. “A Assomasul vai trabalhar em conjunto com os 79 municípios, para contribuir com o programa, ajudando por exemplo na logística e assim atender a população que precisa das cirurgias e exames em curto prazo”.

O prefeito de Santa Rita do Pardo, Lúcio Roberto Calixto, destacou que estes investimentos só ocorrem porque o governo é municipalista. “Este evento era aguardado por toda população”. Para José Gilberto Garcia, prefeito de Nova Andradina, estes investimentos serão fundamentais para as cidades. “Não iríamos conseguir fazer todos estes procedimentos sem o apoio e os recursos do Estado”.  

Já João Carlos Krug, prefeito de Chapadão do Sul, lembrou que a fila de cirurgias eletivas está muito grande e que o Governo vai cuidar de forma efetiva deste problema. Nelson Cintra, prefeito de Porto Murtinho, ainda citou que a pandemia travou as cirurgias e que por isso a Caravana trará um grande benefício à população. “Temos que parabenizar o governador por esta iniciativa”.   

A Nova Caravana vai dispor de um investimento de R$ 120 milhões, para realização de cirurgias eletivas e exames em 55 hospitais, em 34 municípios do Estado, que foram escolhidos de forma estratégica. Serão 70 mil procedimentos médicos de média e alta complexidades, durante 11 meses.

VEJA TAMBEM